quarta-feira, 31 de Agosto de 2011

Quinta dos Aciprestes '2007

Bah! Como não é de azedumes retromingentes que este espaço vive, deixemos o vinho do passado e foquemo-nos no de hoje, um que por sinal me agradou.

Sobre ele, o produtor pouco adianta. O sítio da internet não tem as fichas técnicas actualizadas e o contra rótulo é vago: fala de parcelas de vinhas velhas e de passagem por madeira.

A cor, rubi. Cheiros? Fraboesas e leve químico, Tourigas maduras. Sólido na apresentação da fruta, equilibrado onde entra a madeira. Talvez menos troncudo que o de 2004 quando bebido mais ou menos com a mesma idade, mas com o mesmo perfil intenso e sumarento, escuro e bom. Ao segundo dia, encontrei-o praticamente na mesma.

Não tenho muito mais a dizer sobre ele: acompanhou bem um ossobuco preparado de forma não muito distante dos preceitos clássicos. Beba-se à vontade.

7€.

16

Após o enomarasmo que tem pautado os últimos tempos por estas bandas, foi com prazer que descobri na caixa de correio uma nova mensagem, ainda que a tentar ser francamente desagradável, quase desafiadora.

A história por detrás disto é simples: há muito, muito tempo, no princípio do puto que bebe, comprei uma garrafa bonita na esperança de dentro dela encontrar algo a condizer, o que não aconteceu. Como calhou na altura já ter um blogue onde ia colocando as coisas bebidas com umas notitas sobre que tal me iam parecendo, não me criaram para lamber botas nem nunca quis ver nisto oportunidade de carreira, escrevi sobre ele a verdade.

A minha verdade, única nos detalhes e mais ainda na interpretação que deles fiz, mas não tanto assim na "big picture", certamente transversal a quem tenha tido o azar de levar à boca o néctar de que estamos a falar. É que, mesmo nisto de provar vinhos, também há coisas simples, e pior, evidentes. :)

E então parece que, quase três anos depois, o produtor ou alguém relacionado com o produtor não gostou dos comentários e resolveu dizer-me das giras e bonitas. Mas falhou. Falhou porque transmitiu a mensagem de que, no seu entender, quem compra os seus vinhos é necessariamente um burro cujo dever é pagar e achar sempre, necessariamente, muito bom. Ou, tendo constatado que aquilo que comprou não presta, pensar este vinho de dez euros está a saber-me pior que o do garrafão do tio Zé, mas eu não sou o Robert Parker e o senhor que escreveu o contra-rótulo é enólogo ou pelo menos escreve contra-rótulos para casas de vinhos e diz que é muito bom, e a ele deixam escrever contra-rótulos e a mim não, logo ele deve saber o que é bom para mim e eu não (etc.) —

E assim, por timidez, insegurança ou pura e simples condescendência, calar. Pois bem, meus caros, já fui assim. Antes de ter criado um blogue sobre os vinhos que ia bebendo, não tinha nenhum. Gostava e calava, não gostava e calava. Pelo menos na net. Depois criei um blogue, quando se calhar ainda nem sabia que vocês existiam, e fui provando, provando, até que um belo dia me cruzei convosco. Não ia abrir regime de excepção, certo? Para terminar, fica a indicação de que aquele vinho garantiu que não iam ter de voltar a preocupar-se com o que quer que fosse que eu pudesse voltar a achar de qualquer outro produto vosso, pelo que por aí podem ficar descansados.

Fica pois a nota de agradecimento pelo feedback enviado e o inevitável conselho: passem mais tempo a fazer melhor vinho e menos a enviar hate mail que não tardarão a ver as coisas melhorar.

segunda-feira, 29 de Agosto de 2011

Par didn't mean to fall in love with Theorem. It was an accident, and he couldn't have picked a worse girl to fall for. For starters, she lived in Switzerland. She was 23 and he was only seventeen. She also happened to be in a relationship — and that relationship was with Electron, one of the best Australian hackers of the late 1980s. But Par couldn't help himself. She was irresistible, even though he had never met her in person. Theorem was different. She was smart and funny, but refined, as a European woman can be.

They met on Altos in 1988.

Theorem didn't hack computers. She didn't need to, since she could connect to Altos through her old university computer account. She had first found Altos on 23 December 1986. She remembered the date for two reasons. First, she was amazed at the power of Altos — that she could have a live conversation on-line with a dozen people in different countries at the same time. Altos was a whole new world for her. Second, that was the day she met Electron.

Electron made Theorem laugh. His sardonic, irreverent humour hit a chord with her. Traditional Swiss society could be stifling and closed, but Electron was a breath of fresh air. Theorem was Swiss but she didn't always fit the mould. She hated skiing. She was six feet tall. She liked computers.

When they met on-line, the 21-year-old Theorem was at a crossroad in her youth. She had spent a year and a half at university studying mathematics. Unfortunately, the studies had not gone well. The truth be told, her second year of university was in fact the first year all over again. A classmate had introduced her to Altos on the university's computers. Not long after she struck up a relationship with Electron, she dropped out of uni all together and enrolled in a secretarial course. After that, she found a secretarial job at a financial institution.

Theorem and Electron talked on Altos for hours at a time. They talked about everything — life, family, movies, parties — but not much about what most people on Altos talked about — hacking. Eventually, Electron gathered up the courage to ask Theorem for her voice telephone number. She gave it to him happily and Electron called her at home in Lausanne. They talked. And talked. And talked. Soon they were on the telephone all the time.

Seventeen-year-old Electron had never had a girlfriend. None of the girls in his middle-class high school would give him the time of day when it came to romance. Yet here was this bright, vibrant girl — a girl who studied maths — speaking to him intimately in a melting French accent. Best of all, she genuinely liked him. A few words from his lips could send her into silvery peals of laughter.

When the phone bill arrived, it was $1000. Electron surreptitiously collected it and buried it at the bottom of a drawer in his bedroom.

When he told Theorem, she offered to help pay for it. A cheque for $700 showed up not long after. It made the task of explaining Telecom's reminder notice to his father much easier.

The romantic relationship progressed throughout 1987 and the first half of 1988. Electron and Theorem exchanged love letters and tender intimacies over 16000 kilometres of computer networks, but the long-distance relationship had some bumpy periods. Like when she had an affair over several months with Pengo. A well-known German hacker with links to the German hacking group called the Chaos Computer Club, Pengo was also a friend and mentor to Electron. Pengo was, however, only a short train ride away from Theorem. She became friends with Pengo on Altos and eventually visited him. Things progressed from there.

Theorem was honest with Electron about the affair, but there was something unspoken, something below the surface. Even after the affair ended, Theorem was sweet on Pengo the way a girl remains fond of her first love regardless of how many other men she has slept with since then.

Electron felt hurt and angry, but he swallowed his pride and forgave Theorem her dalliance. Eventually, Pengo disappeared from the scene.

Pengo had been involved with people who sold US military secrets — taken from computers — to the KGB. Although his direct involvement in the ongoing international computer espionage had been limited, he began to worry about the risks. His real interest was in hacking, not spying. The Russian connection simply enabled him to get access to bigger and better computers. Beyond that, he felt no loyalty to the Russians.

In the first half of 1988, he handed himself in to the German authorities. Under West German law at the time, a citizen-spy who surrendered himself before the state discovered the crime, and thus averted more damage to the state, acquired immunity from prosecution. Having already been busted in December 1986 for using a stolen NUI, Pengo decided that turning himself in would be his best hope of taking advantage of this legal largesse.

By the end of the year, things had become somewhat hairy for Pengo and in March 1989 the twenty-year-old from Berlin was raided again, this time with the four others involved in the spy ring. The story broke and the media exposed Pengo's real name. He didn't know if he would eventually be tried and convicted of something related to the incident. Pengo had a few things on his mind other than the six-foot Swiss girl.

With Pengo out of the way, the situation between Theorem and the Australian hacker improved. Until Par came along.

Theorem and Par began innocently enough. Being one of only a few girls in the international hacking and phreaking scene and, more particularly, on Altos, she was treated differently. She had lots of male friends on the German chat system, and the boys told her things in confidence they would never tell each other. They sought out her advice. She often felt like she wore many hats — mother, girlfriend, psychiatrist — when she spoke with the boys on Altos.

Par had been having trouble with his on-line girlfriend, Nora, and when he met Theorem he turned to her for a bit of support. He had travelled from California to meet Nora in person in New York. But when he arrived in the sweltering heat of a New York summer, without warning, her conservative Chinese parents didn't take kindly to his unannounced appearance. There were other frictions between Nora and Par. The relationship had been fine on Altos and on the phone, but things were just not clicking in person.

He already knew that virtual relationships, forged over an electronic medium which denied the importance of physical chemistry, could sometimes be disappointing.


Suelette Dreyfus — Underground: Tales of Hacking, Madness and Obsession on the Electronic Frontier, 1997.

sexta-feira, 26 de Agosto de 2011

Dom Ferraz '2005

Quem o fez, com quê e como? O contra-rótulo pouco diz. De qualquer forma, como ainda me encontro naquela fase em que, mais que pensar em vinho, gosto de bebê-lo, isso pouco importa.

Servi-o a 16ºC, directamente da garrafa. Cor granada, concentração mediana. Cereja pouco madura, carne, cipreste, eucalipto, musgo, humidade. Sugestões primeiro de contornos sóbrios, agradáveis, depois cada vez mais escuras, acres e amargas. Fruta confeitada na boca, sem profundidade ou fulgor. Doçura mal colocada, resultado de uma acidez quase inexistente e um corpo em declínio. Curto. A morrer. Empurrou uns bocadinhos de queijo, nada de interessante. Abri outro para o jantar.

Imbebível ao segundo dia. E posto isto, sim, é evidente que me desapontou. Terei exagerado nas minhas expectativas? Terei tido, apenas, azar?

4€.

13

terça-feira, 23 de Agosto de 2011

Bons Ares '2007

Touriga Nacional, Touriga Franca e Cabernet Sauvignon, na proporção 50-10-40 (%), fermentação em cubas, maceração pós-fermentativa, maloláctica parcialmente efectuada em madeira, 18 meses de estágio em tonéis e barricas de carvalho francês. Para quem quiser saber mais, deixo aqui o enlace para a ficha técnica que o produtor disponibiliza no seu sítio web.

Aromaticamente muito bonito, o Cabernet nota-se logo à primeira cheiradela, traz consigo especiarias verdes e castanhas e amargas, mas sem sugestões de calor. Ou pimento. As Tourigas entram com carne, flores e fruta, muita, fresca, madura, vermelha e roxa, clara e alegre, nada abafada, sem qualquer tipo de nota química. Na boca é longo e robusto, com uma frescura que impressiona, sobretudo tendo em conta que se trata de um vinho com 14,5% de álcool. Algum tanino, persistente e ligeiramente seco. Mau grado o lugar comum, arriscaria dizer que senti encontrar-me perante um daqueles casos em que o todo é maior que a soma das partes.

Posto isto, é evidente que se trata de um vinho de guarda, embora já se beba super bem. Acompanhou um bife salteado em manteiga — por aí, não haverá muito a dizer.

10€.

17

domingo, 21 de Agosto de 2011

Filmes (33)




"I've never gotten anything out of his movies. They have felt constructed, faux intellectual and completely dead. Cinematographically uninteresting and infinitely boring. Godard is a fucking bore. He's made his films for the critics. One of the movies, Masculin féminin: 15 faits précis (1966), was shot here in Sweden. It was mind-numbingly boring." — Bergman, sobre Godard, ao Sydsvenska Dagbladet, 12/5/2002. E ai, foda-se, tão verdade. Este filme, por exemplo, meu Deus, é intragável. Tão pretencioso e aborrecido, tão prolixo. Tão pseudo. Safam-se os pozinhos de Bataille, talvez, sei lá, espero, pozinhos de Bataille como esta coisa que aqui deixo na esperança de que vos entretenha, e pouco mais.

quinta-feira, 18 de Agosto de 2011

Borsao — Crianza '2008

Do contra-rótulo:

Vino elaborado con un 60% de la variedad Garnacha y un 40% de Tempranillo. Ambas variedades son elaboradas y criadas por separado para posteriormente realizar el coupage final. Su permanencia en botella lo convierte en un Crianzadonde se ensamblan perfectamente la potencia aromática de la Garnacha con la estructura tánica del Tempranillo.

Vai assim, copy/paste, mais que por preguiça, porque existe um outro Borsao criado, dizem eles, em barrica, e que é praticamente igual a este, tanto no rótulo (este diz crianza, o outro diz barrica) como no que toca ao conteúdo. Pelo menos foi o que me pareceu, que os bebi lado a lado e pouca ou nenhuma diferença notei. Como não sou de guardar garrafas, fica assim a referência intacta a aguardar contraprova — podia perguntar, mas prefiro tentar ver por mim se estou a fazer um filme ou não.

Intrigas à parte, e que raio de intriga, que coisa tão cocó, este é um tinto intenso, cheio de cor e fruta madura, muito na linha do colheita, mas mais austero, denso e encorpado. Não me intrepretem mal, no entanto: se o outro é simples e jovial, este também, só que um bocadinho, apenas um bocadinho mais sério. Em termos, digamos, históricos, tem tudo a ver com o seu predecessor. O final é mais que satisfatório e os taninos, não sendo nobres por natureza, aparentam ter sido bem educados.

2€ — aqui, a RQP não é novidade.

15,5

segunda-feira, 15 de Agosto de 2011

Gran Ribad — Albariño '2003

Albariño das Rias Baixas, mais concretamente da Ribera del Umia, produzido e engarrafado por alguém que ficou por creditar, para Thomlogic, uma empresa de armazenamento e distribuição de Ribadumia, Pontevedra. Comprei-o numa espécie de supermercado de terriola fronteiriça, do lado espanhol, onde foi escandalosamente barato, custou menos de 3€.

Face a isto, como poderiam as expectativas ser elevadas? E no entanto, surpreendeu. Muito. Dourado palha, cor de branco com idade. O aroma confundiu-me, no princípio, tamanha a profusão de notas voláteis e terciárias, misturadas. Pele? Pêlo? Caça? Fumo? Queijo azul? Funk?! Juraria que me mostrou isto tudo, e no entanto não meteria a mão no fogo em como realmente me encontrei perante um que fosse destes descritores. Curioso, heh? Coisas de piço, talvez. Depois, sob a influência oxidante do ar e com a redução da temperatura, mostrou coisas mais dentro do esperado: limão, caroços de limão, louro, ervas secas e, surpreendentemente, ainda mais que tudo o resto, juraria que uma boa dose de llicorella, sim, isso mesmo, aquela ardósia "queimada" que se encontra com frequência nos bons tintos do Priorato. Na boca, gordinho e untuoso, impecavelmente seco e com uma acidez que aparenta encontrar-se em regressão, embora ainda capaz de segurar o conjunto. O final, mediano em força e comprimento.

Não vai melhorar, antes pelo contrário. No entanto, enquanto morre e não, é de aproveitar. Pouco depois da descoberta, consegui mais três garrafas, umas melhores que outras, mas, no geral, todas dentro do mesmo perfil. Muito boa surpresa!

16,5

sexta-feira, 12 de Agosto de 2011

quarta-feira, 10 de Agosto de 2011

QUALITATIVE COMMENTS (3C-E; 3,5-DIMETHOXY-4-ETHOXYAMPHETAMINE)

(with 40 mg) It developed into a strange and indefinable something. It is unworldly. I am very much in control, but with an undertone of unreality that is a little reminiscent of high doses of LSD. If there were a great deal of sensory input, I might not see it. And if I were in complete sensory quiet I would miss it, too. But just where I am, I can see it. Eerie state of awareness. And by the 8th hour I am sober, with no residue except for some slight teeth clenching, and pretty much disbelieving the whole thing.

(with 60 mg) Visuals very strong, insistent. Body discomfort remained very heavy for first hour. Sense of implacable imposition of something toxic for a while. I felt at the mercy of uncomfortable physical effects faint or pre-nausea, heavy feeling of tremor (although tremor actually relatively light) and general disease, unease, nonease. Kept lying down so as to be as comfortable as possible. Fantasy began to be quite strong. At first, no eyes closed images, and certainly anti-erotic. 2nd hour on, bright colors, distinct shapes, jewel-like with eyes closed. Suddenly it became clearly not anti-erotic. That was the end of my bad place, and I shot immediately up to a +++. Complex fantasy which takes over hard to know what is real, what is fantasy. Continual erotic. Image of glass-walled apartment building in mid-desert. Exquisite sensitivity. Down by? midnight. Next morning, faint flickering lights on looking out windows.

This is an interesting closing of the circle. Although mescaline launched the entire show, the first half could be called the amphetamine period, with variations made on all aspects of the molecule except for that three-carbon chain. And it was found that the 4-substitution position was of paramount importance in both the potency and the quality of action of a compound. Then, looking at the long-ignored chain, lengthening it by the addition of a carbon atom eliminated all psychedelic effects and gave materials with reduced action. The action present was that of an antidepressant. But removing a carbon atom? This returned the search to the world of mescaline, but with the knowledge of the strong influence of the 4-position substituent. The two-carbon side-chain world was rediscovered, principally with 2C-B and 2C-D, and the 4-ethoxy-analogue of mescaline, E. This second half of the show could be called the phenethylamine period. And with compounds such as 3C-E which is, quite simply, Escaline (or E) reextended again to a 3-carbon chain amphetamine, there is a kind of satisfying closure. A fascinating compound, but for most subjects a little too heavy on the body.


n' PiHKAL: A Chemical Love Story, Dr. Alexander Shulgin & Ann Shulgin, 1991

terça-feira, 9 de Agosto de 2011

Marquês de Marialva — Reserva '2006

Produto local, este tinto produzido e engarrafado pela Adega Coop. de Cantanhede. Bebo com relativa frequência os vinhos deles — por norma, não me desagradam, nada mesmo. Este foi feito com Baga, 90%, diz o contra-rótulo, Syrah, Touriga Nacional e Tinta Roriz. Fermentou durante 5 dias a 25/30ºC, tendo passado 4 meses em barricas de carvalho francês e americano antes do engarrafamento.

Primeira impressão: fresco. A isto não serão alheios os "parcos" 12,5% de álcool que apresenta. A fruta mostra-se madura, nem pesada nem sumarenta, antes vagamente resinosa, ligeiras notas fumadas e de especiarias a compor. No mais, tende para a ligeireza, tanto em comprimento como em volume de boca. Safa-o uma concentração mais que decente, que de alguma forma acaba por deixar um indivíduo a pensar encontrar-se perante um vinho completo. Que, bem vistas as coisas, é o que é. Curiosos conceitos — estarei, mais uma vez, a divagar? Enfim, sem mais delongas, comigo tem funcionado bastante bem, sobretudo quando acompanha pratos de carne ao mesmo tempo simples e ligeiros, como por exemplo aves fritas ou grelhadas, pizas daquelas mais magrinhas, sem malícia, e, porque não, o inevitável lanche misto ou pãozinho com chouriço que tão bem cai, tantas vezes quase como um life saver, no intervalo grande do trabalhito.

É, no entanto, menos interessante que este.

3€.

15

domingo, 7 de Agosto de 2011

Borsao — Garnacha Mítica '2009

Não relacionado, mas relevante: voltei a encontrar-me com uma data de velhos programas de xadrez, alguns deles ainda bem interessantes — Siberian Chess 2.15, Mint 2.3, CS Tal II, M-Chess 8. Depois explico melhor.

Agora vinho: varietal Garnacha das Bodegas Borsao. Simples, mas extremamente sólido. Face ao de 2008, não mudou quase nada. Ainda a fruta alegre, rica, sumarenta, maioritariamente vermelha, com ligeiro toque balsâmico a compor. É dócil no ataque à boca, mas fresco, de sabor expressivo, com ligeiro amargor de fundo, que se torna mais saliente no final. Muitos o consideram o vinho anti-crise por excelência e há que reconhecer que existem bons motivos para isso! Sempre se trata de um D.O. mais que razoável, vendido ao preço de um qualquer vinho de mesa.

Acompanhou frango de churrasco, salsichas, batatas fritas, pão grosseiro e molhos vários. Casamento perfeito (ou quase).

1,5€.

15

quinta-feira, 4 de Agosto de 2011

AndresAndreas — Alarm: On


Electrónica de qualidade entre vinhos baratos. Original de AndresAndreas, neste caso editado por um indivíduo chamado Serafim.

terça-feira, 2 de Agosto de 2011

Roda dos Coelhos '2009

Será impressão minha, ou a cena dos apreciadores de vinho na net tem vindo a diluir-se? Que há cada vez mais, parece-me inequívoco. Mas a intensidade (e o aroma também) aparenta já não ser a dos velhos tempos. Enfim, que importa? Vim picar o ponto, manter o boteco aberto, colar mais um cromo na caderneta. Que me fique por aí — será, certamente, melhor. Quanto ao vinho, trata-se de um lote de Aragonês, Trincadeira, Syrah e Cabernet Sauvignon, produzido na Herdade dos Coelheiros. Aparte a origem, pouco tem a ver com a solenidade dos seus irmãos maiores. É coisa simples, para beber despreocupadamente.

Primeiro fruta madura, preta e vermelha, ameixa, framboesa. Depois baunilha e chocolate, de leite e branco, tanto e tão doce que não tardou a tomar conta da prova, a fruta atirada para segundo plano. Por fim, passas. É um vinho curto e cheio, e por isso mesmo um pouco abrupto, com bastante presença. Pena o teor elevado, a madurez excessiva, pena ser tão doce.

Face à versão de 2006, bebida mais ou menos com a mesma idade, desiludiu. Depois de experimentado, acompanhou coisas de porco grelhadas. Aguentou-se, mas não convenceu.

4€.

13,5