sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Vallado '2010 (Branco)

Rabigato, Verdelho, Viosinho e Arinto. O mosto fermentou em bica aberta, ou seja, depois de prensadas as uvas, separado das partes sólidas, durante cerca de um mês, a uma temperatura entre 16 e 18ºC, tendo a maior parte do vinho resultante sido sujeito a um estágio de cinco meses em cubas. Diz ainda a ficha técnica resumida com que o produtor nos presenteia no seu sítio da internet que 10% do lote final passou igual período a apurar em meias pipas de carvalho francês.

Foi servido a 10ºC. A cor fazia lembrar sumo de maçã. Se tivesse de o reduzir a meia dúzia de palavras, uma delas teria de ser cítrico, dado que me trouxe recordações de lima e coisas que aconteceram em lugares e momentos com cheiros de lima presentes: estas associações enganam muito menos que aquilo que um indivíduo inicialmente é levado a pensar.

Cítrico, então, mas pouco, pelo menos de forma objectiva. E de tropical, não lhe encontrei nada. Pareceu-me mais expressivo nas flores silvestres, nas folhas e ervas molhadas, um cheiro algo primaveril, a campo depois da chuva. Diferente do habitual, felizmente cada vez menos. No mais, encontrei-o macio, fresco e equilibrado, de final agradável. Notei-lhe ligeiríssima doçura, em pano de fundo e apenas na boca. É um vinho a que não falta presença, apesar da expressão suave e de um peso, se tanto, apenas mediano.

6€.

16

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Giroflé — Loureiro '2010

Da VDS. A ficha técnica fala de uvas da casta Loureiro entre os rios Sousa e Tâmega, em vinhas com exposição predominante sul-poente de encosta, fermentação com tecnologia a frio, em ambiente redutivo, com temperatura controlada por volta dos 16ºC, recorrendo a processos muito suaves de esmagamento e prensagem sob atmosfera inerte, seguido de maceração pelicular e estágio de 5 meses em inox.

Quase sem cor. À vista, levíssima agulha, que depois praticamente não se nota. Sempre muito fresco, com lima, louro, flores brancas, sal — maresia, no nariz e na boca. Ainda algo vagamente carnoso, ou talvez umami, fonte de interesse adicional. Final médio, a amargar um pouco. Na minha humilde opinião, um bom representante da casta. Para marisco grelhado.

5€.

15,5

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Para que se me comprenda mejor debo recordar aquí un momento crucial que los actores y yo vivimos durante el rodaje de La montaña sagrada: después de dos meses de preparación, encerrados en una casa sin salir a la calle, durmiendo sólo cuatro horas diarias y haciendo ejercicios iniciáticos el resto del tiempo, más cuatro meses de intenso rodaje, viajando por todo México, ya habíamos perdido la relación con la realidad. El mundo cinematográfico había tomado su lugar. Yo, poseído por el personaje del Maestro, una especie de Gurdjieff injertado con el mago Merlín, me había convertido en un tirano. A toda costa quería que los actores lograran la iluminación. No estábamos haciendo un filme, estábamos filmado una experiencia sagrada.

¿Y quiénes eran esos comediantes que, atrapados también por la ilusión, aceptaban ser mis discípulos? A uno, un transexual, lo había encontrado en un bar de Nueva York, el otro era un galán de telenovelas, y luego mi mujer, cargando su neurosis de fracaso, y un admirador americano de Hitler, y un millonario deshonesto que había sido expulsado de la Bolsa, y un homosexual que creía hablar sánscrito con los pájaros y una bailarina lesbiana y un cómico de cabaret y una afroamericana que, avergonzada de sus antepasados esclavos, decía ser piel roja. Mi idea, al contratar este ramillete, me había sido inspirada por la alquimia: el estado primero de la materia es el lodo, el magma, el «nigredo». De él, por sucesivas purificaciones, nace la piedra filosofal, que transforma los metales viles en oro.

Estas personas, sacadas del montón, de ninguna manera artistas teatrales, al finalizar la película debían estar convertidas en monjes iluminados. Buscando los sitios mágicos, habíamos escalado todas las pirámides aztecas y mayas que los servicios de turismo en gran parte han reconstruido. Así es como llegamos a Isla Mujeres y pudimos contemplar las maravillosas aguas azul turquesa del mar Caribe, por fin algo auténtico. Decidí entonces realizar una experiencia fundamental: después de lograr que todos se raparan, yo inclusive, hice que nos embarcáramos en un pequeño barco camaronero. Al cabo de una hora de viaje, estuvimos en altamar. Un círculo verdiazul resplandeciente nos rodeaba. El maravilloso océano llegaba hasta el horizonte circular con sus enormes pero tranquilas olas.

Agrupé a los actores alrededor de mí y les dije, en un estado de trance: «Vamos a saltar y sumergirnos en el océano. El alma individual debe aprender a disolverse en aquello que no tiene límites». No sé lo que pasó en ese momento. Ellos me miraron con ojos de niño, ofrendándome una fe que en verdad no merecía. Di entonces un grito de karateka y salté, empujando al grupo hacia el mar. Apenas me hundí recibí una gigantesca lección de humildad. Nos habíamos arrojado disfrazados de peregrinos estilo sufí. Calzábamos gruesas botas, pantalones bombachos, fajas alrededor de la cintura, camisas amplias y abrigos largos, también sombreros alones. Los sombreros no fueron problema, simplemente no se hundieron. Pero los trajes, en un segundo se empaparon de agua adquiriendo un peligroso peso. Me sentí caer hacia las profundidades marinas como una piedra, un descenso que duró una eternidad. De golpe el mar entero se comprimió contra mi cuerpo, con su inconmensurable potencia, su insondable misterio, su monstruosa presencia.

Estaba atrapado en ese vientre sobrehumano sintiéndome más pequeño que un microbio. ¿Quién era yo en medio de ese colosal ser? Me agité cuanto pude, sin tener la seguridad de salvar mi vida, era posible que continuase hundiéndome hasta el oscuro fondo. No se me ocurrió rezar ni implorar ayuda, no tuve tiempo. La enorme masa de agua me lanzó hacia la superficie. La zambullida había durado escasos segundos y sin embargo emergimos todos a unos quince metros del barco. En tierra quince metros son poca cosa, en altamar equivalen a kilómetros. No se me había ocurrido pensar que allí moraban tiburones y otros peces carnívoros. En la embarcación los pescadores, tratándonos de gringos locos, se agitaban improvisando un salvamento. Nosotros en cambio, adiestrados por esos meses de ejercicios iniciáticos, esperamos calmadamente, con la parte individual borrada por las olas, convertidos en un ser colectivo.

La piel roja, dando suaves manotazos, declaró que no sabía nadar. El nazi resultó campeón de natación: la tomó por la barbilla y la hizo flotar. Corkidi, el fotógrafo, olvidando completamente que su tarea era filmar tales trascendentales momentos, lanzando maldiciones, ayudó a arrojarnos un salvavidas atado a una larga cuerda... El que estaba más cerca de la embarcación, el millonario, lanzó el flotador hacia su vecino, el pajarero, que, recitando un mantra, a su vez se lo lanzó a otro, y así y así nos fuimos uniendo agarrados a la cuerda. Sin esa calma habríamos podido ahogarnos todos.

Subimos al barco en medio de un silencio religioso. Nos desvistieron, nos envolvieron en toallas. Comenzamos a temblar. Cuando recuperaron el uso de sus mandíbulas, los actores, más el fotógrafo, sus ayudantes y los pescadores de actores, más el fotógrafo, sus ayudantes y los pescadores de camarones, comenzaron a insultarme. Sólo dos se quedaron silenciosos. El cómico, que en el filme tenía el papel de un ladrón, símbolo del Yo primitivo y egoísta, se había comportado como tal: sin preocuparse del grupo, apenas emergió del agua nadó con toda la fuerza de su desarrollada musculatura hacia la nave. También falló mi mujer: fue la única que no saltó. Se quedó en la cubierta, mirándonos, paralizada o bien incrédula. A causa de esto, algo entre nosotros se cortó para siempre. Allí mismo nos dimos cuenta de que nuestros caminos seguían derroteros diferentes. Comprendí que, para llegar a mí mismo, tenía que despojarme de esa lepra que era el terror al abandono y aceptar mi soledad para poder llegar un día a una genuina unión con los otros.

En cambio los intérpretes declararon que se habían dado cuenta de que les importaba un pepino llegar a ser monjes iluminados, y que lo único que deseaban era convertirse en estrellas de cine. La inmersión en el mar Caribe había sido un error que les serviría de lección: ya nunca más obedecerían a mis locuras de director. Para comenzar, exigieron un buen desayuno, con zumo de naranja, huevos, tostadas, cereales, mantequilla, mermelada, más el cese de toda improvisación ajena al libreto. En caso contrario, dejarían de filmar... Para mí aquello fue una experiencia esencial. Supe que de ahí en adelante tendría el valor de enfrentarme al inconsciente, sin dejarme invadir por el terror, sabiendo que siempre la barca de mi razón arrojaría una cuerda para recuperarme.

A. Jodorowsky, La Danza de la Realidad, 2001.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

João Pires '2010 (Branco)

Falar do que se bebe pode ser engraçado, mas também acaba por se tornar cansativo. Então quando se tenta manter um registo exaustivo daquilo que se vai consumindo! Então quando o que se consome nem sempre tem muito a dizer! Oh amores, e para quê? É esta a pergunta que se impõe: para quê? Abençoada S- que viu a luz. Julgam que a gaja deixou de cozinhar? Que me deixou? Deixou foi de ter paciência para as belinhas e luisinhas deste e doutros mundos, lol. E eu, que raio ainda aqui ando a fazer? Muito pouco, fofinhos, muito pouco.

Querem coisas de mim? Ora tomem: ando a tentar emagrecer. Abater a pança. E hoje dormi mal. Mas dormi mal de propósito, planos alternativos, à preto velho que quer ganhar dinheiro para levar vida honesta na terra dos brancos, preto velho a tentar levar vida honesta e não tem sorte, tché! :P

Anteontem vi o belíssimo Teorema, um Pasolini, coisa usualmente entendida pelo imaginário popular como um peso com potencial nutritivo, algo como pães de queijo para o pensamento, mas a que encontrei uma enorme capacidade de entreter. Que coisa sexy, caralho. Acompanhou na perfeição um humilde Cruz "Colheita" que trouxe da Figueira e mais um ou dois canequitos de Havana Club . . . as respectivas postas acabarão, eventualmente, por passar por aqui, garante-mo esta vidinha saudavelmente pouco preenchida :)

Dizia, adorei o filme. Lavou-me a alma. Melhor, só se estivesse sentado por trás da Mi a mexer-lhe nas mamas, em vez de deitado mais ou menos ao lado dela, mole e cheio de gases, enquanto o via. Então se tivesse haxe do fixe! Ah, por falar nisso, meu deus, como me apetece fazer uma valente temporada de ganza, andar por aí todo senil, a fazer asneiras, cambalear pelas ruas às sete da manhã, velhinhas que passam a caminho do mercado a chamarem-me desgraçado! E a vizinhança, na terra natal, a comentar entre dentes. . . coitadinha, ela não era assim, enlouqueceu porque tinha um filho que se meteu na droga . . .

Ui, o pavor! :P Hum, olhem, tenho andado a gostar da deliciosa menina Dahl. A princípio tomava-a como apenas mais uma representante do chamado food porn, isto é, basicamente, um entretém para panisgas, enfim, vós, leitores, gente educada, sabeis a que me refiro. Mas não, a gaja é porreira, só que é necessária alguma abertura de espírito para se lhe chegar. É daquelas gajas muito girly, coisa que frequentemente traz mal entendidos. No outro dia falou sobre playlists e deu-me vontade de fazer uma. Vocês iam curtir milhões se publicasse! Pelo menos aqueles que de entre vós não forem completamente estúpidos — nisto das internets, um gajo nunca sabe ao certo quem o visita.

Beeem! Depois blá blá blá o hate mail, não me poderei queixar. Mas porque raio isto tudo antes de falar de um vinho? O post ia ser só sobre o vinho, aliás, já tinha o texto preparado no CryptEdit, só que depois colei-o aqui e, de súbito, o resto apeteceu-me. Quanto a vinho, enfim, têm apetecido brancos! Talvez seja de saber que vem aí a chuva.

E há dias comprei este, que é um varietal Moscatel produzido e engarrafado por José Mª da Fonseca — já agora, porque é que não o mencionam no respectivo sítio web? Adiante! Moscatel, nota-se assim que se leva ao nariz, pelas flores! É ligeiro, fresco, seco e sem sinais de barrica. Muito simples, muito simples. . . Louro, maracujá, um corpito vagamente untuoso, nem de desportista nem voluptuoso, talvez como eu, médio/médio, com uma panceta. Um magro gordo. Como diriam as velhinhas amigas, compostinho. A acidez pareceu-me cítrica, não objectivamente refrescante, e apesar de bem casada com os restantes elementos do conjunto, face a apenas 11,5% de álcool, podia ter feito outra figura. O final, curto. No global? Simples, correcto e em todo o caso, eficaz quanto baste. Sou bem capaz de voltar a comprar.

Bebemo-lo com carapaus grelhados.

4€.

14,5

domingo, 25 de setembro de 2011

Mayor de Castilla — Crianza '2007

Tinto da Ribera del Duero, produzido pela Bodega Viña Arnáiz, de Haza, Burgos, parte integrante da enorme García Carrión, responsável, entre outros feitos, pela existência da marca Don Simón. As notas do produtor a respeito da sua vinificação mencionam apanha manual das uvas, fermentação em cubas e estágio em barricas de diversas proveniências e idades durante 12 a 14 meses.

Escuro e razoavelmente intenso, tanto nas sugestões de frutos silvestres maduros, vermelhos e pretos, expressão usual do Tempranillo da região, como nas notas de barrica que os iam acompanhando, mais fumados que coco ou madeira propriamente dita (crua). Barrica que nem por um momento afectou negativamente o equilíbrio do conjunto, nem no nariz nem na boca, isto apesar de bem presente. O sabor, sóbrio e encorpado, com acidez suficiente. Pena os taninos, polidos mas vulgares, e um final onde o álcool sempre foi teimando em despontar.

Apesar de certa desconfiança com que inicialmente o encarei, em boa parte resultado da fama de coisa comercial, sem distinção, que aparenta, de certa forma, persegui-lo, não desiludiu. Muito pelo contrário, deixou a ideia de ser um vinho perfeitamente honesto e, mais que apenas correcto, já com algum carácter.

6€.

15,5

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Lykke Li — Will You Still Love Me Tomorrow?



Acho esta versão muito bonita. Autor? Click.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

BiB (XIV) — União

Da UDACA, União das Adegas Cooperativas da Região Demarcada do Dão — enlace para o respectivo sítio web aqui. Sem informação sobre castas ou data de colheita. Cor avermelhada. Frutos vermelhos maduros, aromas de fermentação, nuances diversas de verde, sempre mais ou menos amargo. Curto e ligeiro, e apesar dos diversos elementos razoavelmente bem integrados, sinceramente, não gostei. (Mai/2011). 6€/5l. 12,5

BiB (XIII) — Fortaleza

80% Castelão de vinhas novas, produzido pela Soc. Vinícola de Palmela. Informa o produtor que o mosto fermentou em depósitos de cimento, a uma temperatura média de 32ºC, com maceração curta. E dado estarmos a falar de um humilde Vinho de Mesa, acho porreiro da parte do produtor prestar este tipo de informação. Quanto ao vinho, tem boa cor e o predomínio do Castelão é evidente. Pena a fruta se apresentar mal madura, de alguma forma a sugerir impuro. . . verdor de legumes, couve. . . suspeito que em boa parte por culpa da acidez carrasquenta da matéria-prima, mas a um ponto que me chegou a fazer pensar se não teria ocorrido refermentação dentro do saco. Puah! (Jun/2011). 5,60€/5l. 11

BiB (XII) — Milheiro Selas — Touriga Nacional + Syrah

De António Milheiro Selas, produtor mais conhecido pelos seus espumantes, mas que também faz um tinto que muito me tem agradado. Lote de Touriga Nacional e Syrah, revelou-se um vinho bastante potente e entroncado, com fruta e sugestões de fumo e tosta que poderão não advir necessariamente de passagem por madeira. Encontrei-lhe uma acidez fodida e taninos um pouco duros (mas taninos). Em suma, é um tinto sério e interessante, dos poucos BiB que experimentei com alguma real aptidão gastronómica. Pena aparente ser relativamente obscuro, talvez produzam pouco. (Ago/2011). 7€/3l. 14,5

BiB (XI) — Terras D'Alleu

Vinho Regional Duriense produzido pela Adega Cooperativa de Vila Real. Cor rubi. Quase plano, mas relativamente generoso na fruta. Ameixa, amora, cereja. Maturação no ponto. Quanto a corpo, permanência, estrutura, profundidade. . . é mediozinho em tudo, sendo que não deixa muito a dizer, nem de bem, nem de mal. É mais ou menos isto que pretendo quando penso num vinho simples, mas correcto, para consumo quotidiano. Se puder ser um pouco mais complexo, ter algum tipo de textura que se note, perdurar um pouco mais, agradeço. O problema é quando este mínimo não é atingido! Nesse sentido, e porque se revelou um vinho competente, satisfaz. (Jul/2011). 8€/5l. 14

BiB (X) — Encostas de Favaios

Este é feito pelos produtores do Favaíto, a Adega Cooperativa de Favaios. Cheiro vinoso, a Douro jovem, generoso nos frutos pretos e roxos e no grau de madurez com que são apresentados. Ainda alguns aromas secundários, doces, daqueles que usualmente não gosto de encontrar num caixote de vinho, mas nem desenquadrados nem desagradáveis. Fugaz, mas correcto. (Mai/2011). 7€/5l. 13,5

BiB (IX) — Adega de Murça

Produzido e acondicionado pela Adega Cooperativa de Murça, sem data de colheita. Cor rubi de concentração média/baixa. Vinoso, com cheio e sabor a fruta, simples mas indiferenciada, tanto que se torna difícil dizer se vermelha, se negra, se ambas. Notas de maçã?! E álcool mais presente que o desejável, a menos que se sirva ligeiramente refrescado. Levezinho, de final curto. (Jul/2011). 7€/5l. 13

BiB (VIII) — Quinta das Amoras '2009

Outro da Casa Santos Lima. Castelão, Camarate, Tinta Miúda e Touriga Nacional. Cor rubi, escura e pouco concentrada. Frutos pretos, ameixa, cereja, amora, um pouco de tosta, um pouco de chocolate que cresce com o arejamento. Palato seco nos dois sentidos da palavra, isto é, tanto pela ausência de doçura como pela presença de um ou outro tanino mal nascido. E se é verdade que podia e devia ter mais corpo, vigor e persistência, também o é que cheira bem, sabe bem, possui equilíbrio e não é aguado. Versátil à mesa, desde que não exijam de mais dele (seja o prato ou o dono). Tendo gostado mais do Bipartito, também achei este deveras convincente. O branco da mesma marca, em garrafa, já por aqui passou. (Jun/2011). 12€/10l. 14

BiB (VII) — Roquevale — "Alecrim"

Vinho da Comunidade Europeia, acondicionado por Roquevale. Cor granada. Aroma pesado, nem sumarento (falta força à fruta) nem madurão, compotado, passificado. . . etc. (também lhe falta doçura). Enfim, fruta pouco boa. Aguardente de ginja, chocolate e verdor completam um conjunto que não achei mesmo nada apelativo. Na boca é magro mas agressivo, sem corpo para segurar os 13% de álcool e uma acidez que podia estar melhor colocada. Final curto. Comprei este porque gosto de alguns dos produtos de gama superior da casa, mas desiludiu. (Jun/2011). 6€/5l. 12

domingo, 18 de setembro de 2011

BiB (VI) — Bipartito

Da Casa Santos Lima, sem data de colheita. A caixa traz dois sacos de 1,5l cada: um deles contém um monocasta Castelão e o outro, Touriga Nacional, sendo que ambos os vinhos estagiaram durante 4 meses em barricas de carvalho português. Este conceito torna possível experimentar diversas misturas, fazer lotes no copo: aliás, houve em tempos um blogue onde o produtor promovia uma espécie de competição cujo objectivo era precisamente apurar o melhor desses lotes. Não sei até que ponto fez furor, mas a ideia parece-me bem engraçada.

Castelão: Muito alegre, cheio de fruta madura, negra, doce, em expressão típica da casta, entremeada com notas florais e de caramelo. Também presente o fumado característico dos vinhos estagiado em carvalho português, bem como vagas sugestões maltadas. Na boca é redondo e não possui grande acidez. O sabor acompanha os cheiros, sem doçura evidente, no entanto, e a barrica confirma-se bem integrada. O corpo pode classificar-se como médio, talvez médio menos, e a persistência idem. É um Castelão da Estremadura, mais sumarento, menos pesado e melado que os seus congéneres de Pegões. 15

Touriga Nacional: À semelhança do seu companheiro de caixa, é jovem, alegre e apresenta-nos um conjunto claro de elementos conhecidos: ou seja, e aqui corro voluntariamente o risco de parecer redundante, não podia ser mais claramente um fresco Touriga Nacional jovem da Estremadura, estagiado em carvalho nacional. Cheira muito a violetas, a fruta aparece mais escura, isto apesar de nem por sombras ser tão doce como no Castelão, notam-se boas sugestões de terra e algum After Eight após arejamento também. A madeira entra com o fumado da praxe. Apresenta-se globalmente mais ácido e estruturado que o outro, com um final levemente achocolatado. 15

Experimentei misturá-los algumas vezes, com resultados distintos. Uma coisa, no entanto, achei engraçada: o resultado final nunca se revelou objectivamente desagradável. As misturas que mais me agradaram tinham sempre mais Castelão que TN, talvez 3:1 ou 4:1, isto sem querer adiantar proporções exactas, acima de tudo porque nunca medi. (Set/2011). 7,50€/3l.

BiB (V) — Vinha de Coelheiros "Wine 4 You"

Da Herdade dos Coelheiros. Lote de Trincadeira, Aragonês e Syrah, sem data de colheita. Baseando-me apenas naquilo que me mostrou, apostaria que não passou por madeira (se a madeira passou por ele é outra história). Boa cor, rubi escuro, profundo, com alguma opacidade. Nariz intenso, algo vinoso, generoso mas praticamente sem doçura, assente essencialmente em frutos pretos, a madurez sem excessos, sem passas, sem compotas, ligados a algo curiosamente funky, engraçado, fonte de interesse adicional. Boca conforme, de corpo e final medianos, com a acidez bem colocada e taninos de classe média/baixa. Em jeito de post scriptum, a caixa pode ver-se aqui. (Jul/2011). 5,50€/2l. 14,5

BiB (IV) — Adega Cooperativa de Dois Portos — "Trigueirão"

Vinho Regional Lisboa, sem data de colheita. Vem de perto de Torres Vedras. O produtor tem presença na internet e refere-o no seu portfolio de produtos, mas não adianta o que quer que seja quanto à sua matéria-prima ou método de produção. Rubi avermelhado. Morango intenso no nariz, aliás, fruta e mais fruta, não necessariamente pura. . . Notas esparsas de iogurte. Seco, sem grandes taninos, com doçura residual no fim de boca. Apesar do primeiro impacto satisfatório, revela-se algo fugaz. (Mar/2011). 7€/5l. 13,5

BiB (III) — Igrejinha '2009

O vinho da marca Polegar. Produzido pela Coop. Agrícola de Santo Isidro de Pegões, trata-se de um varietal Castelão sem passagem por madeira que aparece classificado como Vinho Regional da Península de Setúbal. Não aparece referido no sítio web do produtor. Castelão, dizia, e como se nota que o é! Aliás, não podia ser mais típico, tanto quanto à casta como quanto à proveniência! Apresenta apenas fruta, preta e doce, às vezes estranhamente apelativa, às vezes com laivos de artificialidade. O final é médio e o corpo pende para a ligeireza, mas não parece aguado. E embora possa ser pequenino, magrinho, ligeirinho (etc.) não aparenta qualquer tipo de defeito enológico. Depois do que li e ouvi dele, foi uma agradável surpresa. Tal como a generalidade dos vinhos disponíveis neste formato, é para beber jovem. (Jun/2011). 5€/5l. 13

BiB (II) — Galitos '2008

Outro da Adega Coop. de Borba. Castelão, Aragonês, Trincadeira. Estranhamente jovem, com aroma vinoso, com muitos frutos vermelhos e (juraria que) uma ou outra nota de fermentação. Ainda algum verdor, difuso, nem sempre perceptível e que, em todo o caso, não encaixa mal no conjunto. Fresco na boca, e por isso mesmo agradável, mas muito ligeirinho, quase sem estrutura, apenas ligeira adstringência. Nas palavras de A', quase sem corpo, mas com espírito! (Abr/2011). 5,50€/3l. 13,5

BiB (I) — Adegaborba.pt '2009

Alentejano da Adega Cooperativa de Borba. O lote, composto por 75% de Aragonês e 25% de Cabernet Sauvignon, não passou por madeira. Cor rubi, concentração discreta. Maduro, adocicado, quase completamente linear. Frutos vermelhos, algum verdor, alguma sobrematuração. No entanto, há que reconhecer que a boca, nem doce nem amarga, consonante com o cheiro, funciona bem. É curto, de corpo médio/magro. Pensando nele, vêem-me à cabeça as palavras vinho tecnológico. (Jun/2011). 9€/3l. 14

O Grande Post do Bag-in-Box :)

Ou como satisfazer a necessidade diária de bebida sem ficar arruinado, lol. Os motivos que tornam o BiB mais apelativo que o garrafão já foram, nesta altura, mais que discutidos, pelo que este post, ou melhor, série de posts, consistirá apenas num conjunto de notas pessoais que fui tomando ao longo dos últimos meses, acerca de vários vinhos, todos tintos, todos eles vendidos no referido formato.

Antes de começar, duas notas: 1) sobre o que é o BiB, recomendo a leitura de isto e isto; 2) vários posts em vez de apenas um por questões de organização (tags e isso) e para tornar a informação mais fácil de digerir pelos motores de pesquisa.

E assim, sem qualquer ordem em especial, aí vai:

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Casa de Saima — Reserva '2008 (Branco)

. . . lote de Maria Gomes e Bical, enologia da Vine & Wines. O produtor, ainda sem página web, remete os interessados em mais informações para aqui. Cor palha. De perfil similar ao do post anterior, sem surpresas, dada a constituição dos lotes, a ausência de madeira e a proximidade geográfica dos locais de origem das uvas, apareceu, no entanto, mais austero, com outra presença, mais corpo e concentração, mais cheiro a queijo de Belmonte, ainda assim apenas um ligeiro travo que se foi dissipando com o tempo de abertura, embora nunca por completo, menos flores, mais louro seco, feno e humidade. Apesar do ano de diferença, não me pareceu menos fresco nem mais melado que o outro, e isto sim, poderá ser surpreendente. Branco de perfil clássico, será mais difícil que o Marialva para muitos bebedores. Eu, no entanto, gostei mais dele.

Ambos acompanharam carapaus no forno.

4€.

16

Marquês de Marialva (Branco) '2009

Retaste — para o relato da primeira vez que este vinho por aqui passou, fica o enlace. Leve mas tenso, assente em notas florais e de citrino amargo sobre fundo verde e melado. Louro, lima, queijo velho?! Só um pouco, eventual nota de decadência anunciada que para já encaixa bem no conjunto. Boa garrafa, ainda bem fresca e com alguma complexidade. Podia ter sido a sensação da noite, não fosse ter-se aberto o do post seguinte. . . 15

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Adega Cooperativa de Ponte de Lima — Loureiro '2010

Aqui vos deixo mais um vinho correcto e indistinto — sempre achei piada à quantidade de veneno que termos como este e indiferenciado, para dar outro exemplo, suportam. Trata-se de um verde branco da Sub-Região do Lima, cujo produtor tem presença na web: sítio aprazível, bem desenhado, que justifica inteiramente uma visita — aqui vos deixo, pois, os enlaces para a respectiva página principal, bem como para a ficha técnica do espécime analisado.

Que acaba por ser mais um Loureiro típico, simples e fresco, essencialmente cítrico, com lima, limão, toranja e algumas flores brancas. Tendo gostado, não encontrei nele qualquer motivo de destaque. Bebeu-se a solo e com Krupuk; gostei mais dele sozinho. Não me lembro bem de quanto dei por este, penso que andará por volta dos 3€.

14,5

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Fala sobre Paris. Agora que está de partida acha que eu também me devia ir embora. Nova Iorque, Berlim, talvez. Um dos fenómenos deste lugar é que induz todos aqueles que se vão embora a acreditar que os que ficam estão simplesmente a malbaratar a sua alma e a sua substância.

A ideia geral parece ser a de que se pode ser bem sucedido em Paris, mas que se tem de ir para qualquer outro lugar para receber os dividendos respectivos.

Toots ainda está a tentar convencer-me a deixar Paris quando chegamos ao meu buraco. Mas uma vez lá dentro com a porta fechada atrás de nós e a cama pronta a receber-nos, esquece a cantilena.

Veio comigo até aqui acima para ser comida, e isso não tem nada de absurdo.

Ainda mal acabei de fechar a porta e já ela se atirou para os meus braços, esfregando-se no meu corpo e procurando aos apalpões o John Thursday. Ali mesmo, só dois passos dentro do quarto, começo a despi-la.

Não traz cuecas... É a primeira descoberta que faço.

Digam lá o que fariam por prazeres secretos; eu gosto mais das coisas às claras, pôr as mãos em tudo o que puder, onde puder e quando tiver vontade, sem rendas nem alças nem laços.

Enquanto a vou apalpando, levanto-lhe o vestido até surgir o seu rabo nu e igualmente a interessantíssima paisagem da frente.

Então, e apesar de ela me estar a enfiar os dedos na braguilha, recuo para a ver na totalidade.

Mantém-se recta e imóvel, com o vestido erguido, mostrando de que é que as meninas são feitas. «Hairy and pink, and a sweet little stink», dizia-se quando eu era miúdo...

Os olhos são a única coisa que nela mexe. Olha para baixo, para a vagina e depois para o esconderijo do John T. Por fim livra-se do vestido e passeia afectadamente pelo quarto, exibindo-se em pose para trás e para a frente como uma dessas cabras dos concursos de beleza que só se vêem nos documentários noticiosos e em mais parte nenhuma.

Cu à mostra, cona à mostra, barriga à mostra... que espectáculo, e ela sabe-o. É uma dessas coisas que torna Toots especial... o ela saber a tipa fora de série que é, e no entanto não se fazer difícil a respeito da armadilha que tem entre as pernas...

Não admira que Carol tenha dado em chalupa. Qualquer pessoa daria, tendo uma gaja daquelas à sua disposição e não lhe podendo ir para cima. Para ele é melhor que ela se vá... se bem que não creia que ele, ou qualquer outro aceitasse este argumento. Eu não aceitava, de certeza.

Enquanto a admiro no número de passagem de modelos, subitamente apercebo-me de quão terrível deve ser ter, em simultâneo, um esquentamento e uma bela amante.

Terrível? É horrível... gela-me a espinha pensar nisso, tê-la a despir-se e a exibir, quando se voltasse, aquele cu com cabelo entre as nádegas, inclinando-se para apanhar qualquer coisa do chão, deixando as mamas, de uma consistência elástica, baloiçarem um pouco, afagando o ventre com as mãos, arranhando-se ao de leve... e um tipo para ali sentado com o instrumento enrolado numa ligadura... Tomo o firme propósito de, para o futuro, ser duplamente cuidadoso.

Henry Miller, Opus Pistorum, 1941 (pub. 1983).

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Monte Ducay — Macabeo '2010

100% Macabeo (Viura) das Bodegas San Valero, produtor da D.O. Cariñena, província de Zaragoza (grande e bela cidade, gratas recordações). Para uma melhor localização, sugiro que sigam os links. O sítio web do produtor fala de maceração pelicular a 15-16 ºC durante 3 horas e recomenda que seja consumido a 5-8 ºC!

Cor já palha. Louro, maçã verde, musgo, tremoço e mineralidade. Gostei do perfil gordinho, com algum peso, alguma untuosidade, contraste bonito com o sabor verdoengo. Não gostei da relativa falta de acidez nem da forma como a encontrei colocada, do conjunto ligeiramente chocho. Final médio.

Acompanhou espetadas de peixe, grelhadas. Embora não tenha comprometido, dificilmente arriscaria emparceirá-lo com algo mais pesado ou complexo. Custou menos de 2€.

14

domingo, 11 de setembro de 2011

Quinta do Javali — Special Reserve

Ao que tudo indica, este vinho sem data de colheita posiciona-se entre o Ruby normal e o LBV no portfolio do produtor. E aqui um aparte: estes senhores estão com uma presença na web muito fixe, que tanto informa como se promove sem cair em exageros. Visitá-la deixou-me com vontade de conhecer mais vinhos deles, o que sem dúvida virá a acontecer, a seu tempo.

Quanto a este: Escuro, mas não retinto. Concentração razoável, pena a relativa linearidade de aromas e sabores. Ameixa muito madura e passas de ameixa, uva e figo. A aguardente pareceu-me notar-se mais que o desejável, tal como os taninos, numerosos e algo brutos, farinhentos. Aparte isto, o binómio comprimento / volume revelou-se satisfatório, tanto em dimensões absolutas como em proporção.

Sem surpresas, revelou-se inferior a ambos os espécimes da mesma casa que anteriormente por aqui passaram, isto é, os LBV das colheitas de 2002 e 2005. A S. detestou-o. Eu, que trago comigo a bondade dos que tentam ver para além do simples gosto/não gosto, não tendo gostado, concedo que se trata de um Ruby perfeitamente aceitável, por assim dizer, na média da concorrência.

7€.

14,5

Green Tea

"Well, he was writing a book, as you say; I'm not quite sure what it was about, but only that it was nothing that I cared for; very likely you are right, and he certainly did stop — yes."

"And although he only drank a little coffee here tonight, he likes tea, at least, did like it extravagantly."

"Yes, that's quite true."

"He drank green tea, a good deal, didn't he?" I pursued.

"Well, that's very odd! Green tea was a subject on which we used almost to quarrel."

"But he has quite given that up," said I. "So he has."

"And, now, one more fact. His mother or his father, did you know them?"

"Yes, both; his father is only ten years dead, and their place is near Dawlbridge. We knew them very well", she answered.

"Well, either his mother or his father — I should rather think his father, saw a ghost," said I.

"Well, you really are a conjurer, Dr. Hesselius."

"Conjurer or no, haven't I said right?" I answered merrily.

"You certainly have, and it was his father: he was a silent, whimsical man, and he used to bore my father about his dreams, and at last he told him a story about a ghost he had seen and talked with, and a very odd story it was. I remember it particularly, because I was so afraid of him. This story was long before he died — when I was quite a child — and his ways were so silent and moping, and he used to drop in sometimes, in the dusk, when I was alone in the drawing room, and I used to fancy there were ghosts about him."

I smiled and nodded.

"And now, having established my character as a conjurer, I think I must say good night!" said I.

"But how did you find it out?"

"By the planets, of course, as the gypsies do", I answered, and so, gaily we said good night.

>>

Joseph Sheridan Le Fanu, In a Glass Darkly, 1872. Lembro-me de passar longas noites com estas histórias, haxixe e um jarro de chá, nem vivalma por muito tempo, ninguém à espera, nada que fazer no dia seguinte. Citação propositadamente insulsa de um bom livro, enfim.

sábado, 10 de setembro de 2011

Filmes (35)

Šílení (Lunacy)




De Jan Švankmajer, foi buscar inspiração ao imaginário de Sade, bem como a duas histórias de Allan Poe, The System of Dr. Tarr and Prof. Fether (enlace aqui para o texto completo) e The Premature Burial, que se pode ler aqui. Deixo apenas uma nota de relevo para os bifinhos saltaricos, tão giros que só por eles já vale a pena ver o resto.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Mezquiriz — Chardonnay '2010

Monocasta Chardonnay fermentado e estagiado (3 meses) em barricas de carvalho americano, produzido e engarrafado pela Bodega Braña Vieja, de Murchante, Navarra. O produtor, nome pouco sonante, não tem presença na web. Ainda assim, constatei encontrar-me perante um vinho bem acabado, agradável q.b. e dono de uma relação custo/benefício bastante satisfatória.

Veio frio para a mesa, a pouco menos de 10ºC. Cor palha e aroma muito preso a princípio, apenas alguns apontamentos cítricos e herbáceos. A subida de temperatura trouxe consigo outra envolvência, frutos tropicais, sobretudo ananás e caramelos de ananás, flores de cheiro doce, provavelmente orquídeas (veio-me à cabeça o aroma vagamente melado da Dendrobium nobile) e ligeira baunilha, aliás, o único elemento directamente relacionável com barrica que lhe encontrei. Na boca, o volume amanteigado típico da casta algo tapado por acidez vivaz, piquinho persistente no fundo da língua do primeiro ao último momento da prova, a sugerir que, provavelmente, um ano em garrafa lhe irá fazer mais bem que mal. O álcool, 13%, completamente enterrado em corpo e frescura, nunca chegou a dar de si. Final médio/curto.

3€.

15

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Lidl — Coteaux du Languedoc AOC '2008

Aqui fica o enlace para o artigo da Wiki sobre a região de onde vem este vinho — artigo que por sinal está porreiro e do qual não resisto a transcrever um par de passagens, só para se contextualizarem melhor as coisas:

"The area has around 700,000 acres (2,800 km2) under vines and is the single biggest wine-producing region in the world, being responsible for more than a third of France's total wine production. As recently as 2001, the region produced more wine than the entire United States."

. . .

"The vast majority of Languedoc wines are produced by wine cooperatives which number more than 500. However, the appellation system in the region is undergoing considerable changes with both new appellations being created and existing ones changing. One recent change is that the Coteaux du Languedoc has changed name to Languedoc and been extended to include also the Roussillon."

Ficar-nos-emos por aqui no que toca a informação acerca do espécime abatido — apesar de completamente preenchido de letra miúda, o rótulo deste não diz absolutamente nada.

Simples e vagamente vinoso. A fruta, provavelmente cereja, residual ou pouco mais. Algum vegetal, sugestões de humidade. Musgo? A acidez é suficiente, a persistência não ofende, mas o amargor. . . Curto e magro. Umas horas depois de aberto, cacau e notas oxidativas. Meh.

2€?!

13,5

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Pere Ubu — Worlds in Collision

Entre coisas de beber, uma de ouvir. Outro velho favorito meu. O álbum chama-se Worlds in Collision; a banda, Pere Ubu.



Fica a faixa de abertura.

And now that I only know what I used to know it's like I live in a ghost tale / Catherine! There's a place in my heart the years don't go / The days pass it by and you never grow old / Like a house on a hill I remember you. Still.

I ain't ever gettin' home / You ain't ever gonna know the story.


Como de costume e ao contrário das notas de prova, carolice pura e dura, disto espero mesmo que gostem.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Pingo Doce — Loureiro '2010

Varietal Loureiro produzido e engarrafado para o PêDê pela Quinta da Lixa.

Alguma agulha, imediatamente perceptível à vista e neste caso uma coisa desejável, dado que sem ela o vinho não teria a mesma vivacidade, seria sem dúvida muito menos apelativo. De cheiros, limão e flor de laranjeira, ou, mais genericamente, flores brancas e citrinos, o perfil habitual, simples, limpo e fresco. Na boca, curto mas relativamente cheio. O sabor, seco e bastante mineral, com acidez característica. Não se sente o álcool.

Gostei especialmente dele a acompanhar empada de galinha, embora também não tenha comprometido quando atirado contra um frango de churrasco.

2€.

14,5

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Pingo Doce — Douro (Branco) '2009

Lote de Malvasia Fina, Gouveio e Rabigato, sem passagem por madeira, produzido pela Calheiros Cruz. O enólogo, Anselmo Mendes, o nome bem presente no rótulo, como que em subtítulo à marca/origem. Nunca deixei de achar esta relação enólogo famoso/vinho de marca branca inteligente e muito engraçada. Mais que os seus concorrentes, o Pingo Doce tem vindo a conseguir, ao mesmo tempo, não só apresentar um portfolio diverso e, regra geral, de bom nível, mas também associar-lhe um conjunto de nomes reconhecidos, há muito conotados com qualidade. Por um lado, aumenta a visibilidade destes últimos levando-os a novos públicos, por outro aproveita o seu bom nome (e qualidade: o enólogo x não vai querer o seu nome associado a um produto fraco) para promover os seus vinhos. Assim se valoriza uma marca com benefício para o consumidor — dito assim, parece algo óptimo. Porque é que poderá não o ser, talvez tema para outro post, acorde eu mal disposto.

Quanto ao vinho propriamente dito, aromas e sabores simples, relativamente fracos, com notas limonadas e de flores claras, brancas e amarelas. Mais vegetal que fruta, sem dúvida, embora também não vos consiga dizer que forma destacada de "verdum" lhe encontrei. Ligeira untuosidade, álcool bem integrado, acidez refrescante, esta, juntamente com o bom equilíbrio global, talvez a sua maior virtude — e final curto e fácil. Para beber bem fresco, a acompanhar coisas simples. Enfim, para o Verão.

Se não me engano, andará próximo dos 2€.

14

domingo, 4 de setembro de 2011

Filmes (34)



Giro, gosto.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Tormes '2009

Verde branco, varietal Avesso da sub-região de Baião, engarrafado pela Fundação Eça de Queiroz, Quinta de Vila Nova, Santa Cruz do Douro.

O contra-rótulo remete-nos para A Cidade e as Serras,

... o vinho de Tormes, caindo de alto, da bojuda infusa verde — um vinho fresco, esperto, seivoso, e tendo mais alma, entrando mais na alma, que muito poema ou livro santo...

E apesar de a coisa contada provavelmente ser um tinto, de tal forma que logo após o trecho citado se lê que "Mirando, à vela de sebo, o copo grosso que ele orlava de leve espuma rósea", convenhamos que a descrição assenta a este vinho como uma luva! Cor citrina, pomóideas e flores brancas, acidez refrescante em corpo curto e esguio, sabor seco, vegetal. Simples, mas interessante.

3€, se bem me lembro.

14,5