sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Encostas do Bussaco — Merlot '2010

Comprei este vinho por pura e simples curiosidade, num supermercado. Trata-se de um varietal Merlot, produzido pela Adega Coop. de Mealhada para a empresa que a explora desde Outubro de 2011, as Caves Avelar. O contra-rótulo não adianta informação a seu respeito e o Google não sabe dele. Abri a garrafa nº 417 de 1460.

Curiosidade porque apesar de modesto, é um verdadeiro vinho virtual. E não o provei, bebi-o devagarinho. A este respeito, cumpre dizer que viveu três dias, sempre de volta à porta do frigorífico uma vez terminada a refeição.

E agora aquela palermice que aqui traz muitos de vós, a prova, o que tal me pareceu. Acerca dessa, cada vez menos a dizer. Se falta vocação ou apenas paciência, o tempo o dirá. Mas cada vez mais me convenço de que não há floreado que iguale aquelas notitas simples, em bruto, tiradas no momento, quando ainda o faço. Já não me lembro da última vez que me deixei ficar a analisar um vinho, de papel e caneta, enquanto a comida arrefecia. Para quê?

Copy/paste, então, curto e grosso. Apesar da valente baforada de especiaria picante que se liberta do seu núcleo bem maduro, de fruta preta e doce, na boca, no máximo, será mediano. Falta-lhe qualquer coisa, mas é difícil dizer o quê. E se de forma alguma é um retrato típico da casta, também não creio que engane, nem mesmo às cegas.

7€.

15

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Sebadoh — Harmacy

O álbum é de 1996 e por isso podia perfeitamente ter feito parte dos meus early teens, mas tal nunca chegou a acontecer.

Se bem em recordo, foi MA, o indie kid da minha pandilha do xadrez, e mais tarde dos computadores, do IRC e dos blogues, quem mo deu a conhecer, bem como tantos outros.

Agora, todo este tempo depois, ando a ouvi-lo outra vez. É um belo conjunto de musiquinhas do dia-a-dia, mais ou menos disfarçadas. Esta Beauty of the Ride ilustra bem o que quero dizer.



Silence's like disease, but I dare not say it hurts / 'Cause if I honestly react, nothing's ever gonna work / All this tension back and forth, it's just the beauty of the ride / So let it build, let it explode, leaving blood and shattered bone / Or bite your tongue 'til you've forgotten what to say / And take another step back until you find you've walked away.

Do mesmo Lou Barlow que está por detrás deste álbum, um dia deixei aqui isto.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Julian Chivite — Gran Feudo, Viñas Viejas, Reserva '2006

O blog ainda não morreu; adiante.

O vinho, Navarro de Cintruenigo, teve origem em uvas de Tempranillo e Garnacha de vinhas plantadas entre 1940 e 1960. Foi engarrafado após, pelo menos, diz o produtor, 18 meses de estágio em barricas de carvalho francês e americano.

É um vinho bem fresco. Que, contudo, não esperava encontrar tão leve, talvez em virtude dos seus predicados, memórias pouco precisas e a leitura do contra-rótulo, talvez pelo ataque onde, por muito tempo, só consegui perceber madurez.

E que não é só isto. Tem evolução, certo funk, pêlo, musk, e especiarias. E o sabor, tão como o nariz.

Gosto do género. Mas esperava, e sem dúvida que teria preferido encontrar, algo mais macio e carnudo, com mais substância.

10€.

15,5